Guru Hub
Guru Flow: resumo 03-10/mai.
Guru Flow: resumo 03-10/mai.

Guru Flow: seu resumo semanal do mercado

No Guru Flow desta semana destrinchamos o impacto da nova taxa Selic na economia brasileira, a contínua queda do ibovespa e como tais fatos abrem oportunidades interessantes para os seus investimentos. Veja como é fácil entender sobre o mercado financeiro com o Flow!

Boas-vindas à edição desta semana do Guru Flow! Nesta semana, o Ibovespa caiu, influenciado pela decisão dividida do Copom sobre a taxa de juros e uma temporada de balanços movimentada. Vamos explorar os detalhes dessa movimentação e os principais eventos que impactaram o mercado.

Em foco: Copom corta a taxa Selic

O Comitê de Política Monetária (Copom) cortou a taxa Selic em 0,25 pontos percentuais, levando a taxa aos 10,50% ao ano, conforme esperado pelo mercado. A decisão na última quarta-feira foi dividida, com quatro diretores indicados pelo atual governo votando por um corte maior, de 0,50 pontos percentuais, o que gerou pressão sobre o dólar e a curva de juros.

Para os próximos meses, o Copom projeta mais dois cortes de 0,25 pontos percentuais, resultando em uma taxa Selic terminal de 10%. Na sexta-feira, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) apresentou uma desaceleração na medida acumulada em 12 meses. Apesar disso, não foi suficiente para mudar as perspectivas de juros com cortes maiores para o ano de 2024.

Movimentações do mercado

Na Europa, o índice Stoxx 50 subiu 3,4%, impulsionado por uma temporada de balanços positiva e sinais de que os bancos centrais da Europa e da Inglaterra estão próximos de cortar juros. Nos Estados Unidos, os índices também terminaram a semana em alta, refletindo uma temporada de resultados corporativos sólidos e um arrefecimento no mercado de trabalho que alivia a pressão sob a inflação.

O mundo cripto está de olho nas solicitações dos ETFs de Ethereum, o prazo de decisão da SEC para os produtos varia de final de maio a início de agosto. Por enquanto a perspectiva do mercado acha improvável que os ETFs sejam aprovados. Uma das principais causas para não aprovação  é o impasse se o Ethereum é ou não um valor mobiliário

Acompanhamento de 2024 dos ativos
AtivosMáximaMínimaSemana2024
S&P 5005.239,665.101,351,93%10,06%
IBOV129.745,00127.128,82-0,71%-3,41%
DólarR$ 5,17R$ 5,041,75%4,59%
BitcoinR$ 334.453,00R$ 311.283,00-1,71%46,08%
EthereumR$ 16.270,70R$ 14.961,10-4,62%30,65%
Acompanhamento do desempenho dos principais ativos na semana e no ano de 2024.

O Ibovespa encerrou a semana em queda de 0,7% em reais e 2,3% em dólares, fechando aos 127.600 pontos e o dólar fechou a semana em alta de 1,6%, aos R$5,16. O destaque positivo nessa semana do Ibovespa ficou com a Rede D’Or (RDOR3) que subiu 14,2%, além de reportar resultados positivos, a empresa se uniu à Atlântica Hospitais para formar uma joint venture voltada para investimentos em hospitais. Já na ponta contrária a Braskem (BRKM5) caiu 17,3% após notícias que a Adnoc desistiu de comprar uma participação na companhia.

Maiores altas da semana no Ibovespa

  • Rede D’or (RDOR3) +14,20%
  • BRF (BRFS3) +9,60%
  • Vamos Locação (VAMO3) +7,60%

Maiores baixas da semana no Ibovespa

  • Braskem (BRKM5)  –17,03%
  • IRB – Brasil Resseguros (IRBR3) –12,80%
  • Suzano (SUZB3)  –12,60%

No mês de maio todas as Carteiras Inteligente estão com performance positiva, acompanhando essa retomada do mercado de renda variável. Se comparado ao CDI somente as Carteiras mais agressivas estão batendo o índice, porém, no ano de 2024 todas estão com desempenho positivo. Se comparadas ao Ibovespa (benchmark de muitos fundos de investimento) todas as Carteiras estão com desempenho superior, uma vez que o índice está com desempenho em 2024 de -4,91%.

Carteiras#*Maio x CDI2024 x CDI
Defensivas#10,82%2,59%
291%66%
#20,83%2,48%
294%63%
Cautelosas#30,95%2,57%
337%66%
#40,99%3,14%
352%80%
Equilibradas#51,13%2,89%
401%74%
#61,23%3,07%
435%79%
Dinâmicas#71,46%3,76%
519%96%
#81,58%4,06%
560%104%
Destemidas#91,69%4,38%
602%112%
#101,89%5,15%
671%132%
Desempenho das Carteiras Inteligente da Guru no mês de Maio e em 2024 com relação ao CDI.
*Nível de risco da carteira escolhido na realização do seu primeiro investimento.

A diversificação é uma peça-chave para o sucesso dos investimentos, principalmente para quem está começando. A Carteira Inteligente da Guru simplifica essa estratégia ao equilibrar automaticamente os investimentos em diferentes classes de ativos, reduzindo riscos e maximizando potenciais de retorno. Assim, os investidores podem se beneficiar de uma carteira bem estruturada e gerenciada profissionalmente, sem a necessidade de acompanhamento constante ou conhecimento técnico avançado. 

Com a Guru, é fácil ter uma carteira diversificada que se alinha com seus objetivos financeiros e perfil de risco.

Quer começar a investir sem dor de cabeça?
Acesse o aplicativo Guru e veja como a Carteira Inteligente pode te ajudar a crescer seu dinheiro com tranquilidade.

Desafios para o investidor pessoa física: Importância e impactos da taxa Selic na economia brasileira

Vamos desmistificar a taxa básica de juros? A taxa Selic é um dos termos mais mencionados no noticiário econômico brasileiro, mas poucos realmente entendem como ela afeta diretamente a economia e, consequentemente, a vida de todos nós – seja para quem trabalha no mercado financeiro, investe ou simplesmente seja um cidadão no Brasil.

O que é a taxa Selic?

A taxa Selic, ou Sistema Especial de Liquidação e de Custódia, é a taxa média ajustada dos financiamentos diários realizados com lastro em títulos públicos federais. Não se desespere! Sem tequiniquês – é a taxa que bancos cobram uns dos outros em empréstimos de curtíssimo prazo, geralmente de um dia, utilizando títulos públicos como garantia.

A Selic é a principal ferramenta de política monetária do Banco Central do Brasil para controlar a inflação e regular a economia. Ela influencia diretamente outras taxas de juros do país, como as de empréstimos, financiamentos e aplicações financeiras.

Para que serve a taxa Selic?

O Banco Central usa a taxa Selic como ferramenta de política monetária para controlar a inflação e estimular ou desacelerar a economia. 

  • Quando a Selic é elevada, o custo do crédito aumenta, desestimulando o consumo e ajudando a conter a inflação;
  • Quando é reduzida, o crédito fica mais barato, incentivando o consumo e os investimentos.

Como a taxa Selic é definida?

O Comitê de Política Monetária ou COPOM é o órgão (do Banco Central) responsável por definir a meta para a taxa Selic. O Copom se reúne a cada 45 dias para avaliar o cenário econômico e decidir se a Selic deve ser aumentada, reduzida ou mantida. A meta Selic é divulgada ao final dessas reuniões e serve como referência para as operações de mercado.

A relação entre a Selic e a Bolsa de Valores

Entender essa relação pode te ajudar a tomar decisões mais inteligentes na hora de investir, sendo complexa e geralmente, inversa. Trouxemos alguns exemplos para que você entenda os impactos dessas duas frentes econômicas:

  • Oportunidade e risco: Quando a Selic está alta, investimentos em renda fixa (como CDBs e títulos públicos) são mais atrativos, pois oferecem um retorno seguro e ao mesmo tempo, rentável. Isso faz com que os investidores prefiram a segurança da renda fixa ao risco das ações. Com a Selic baixa, os rendimentos da renda fixa diminuem, tornando as opções em renda variável mais atraentes para quem busca retornos de destaque.
  • Custo do crédito: A Selic alta encarece o crédito, fazendo com que empresas reduzam investimentos e expansões devido ao aumento dos custos financeiros. Isso pode diminuir os lucros esperados, afetando negativamente o valor das ações dessas empresas. Já uma Selic baixa torna o crédito mais barato, facilitando investimentos e expansões, o que pode aumentar os lucros e a valorização das ações.
  • Fluxo de investimentos: Uma Selic alta pode atrair investidores estrangeiros em busca de rendimentos elevados na renda fixa, aumentando a entrada de capital no país. Isso pode fortalecer a moeda nacional e impactar o mercado de ações. Por outro lado, uma Selic baixa pode reduzir o fluxo de capital estrangeiro para a renda fixa, mas aumentar os investimentos em ações, buscando maiores retornos.

Entender a taxa Selic e sua relação com a Bolsa de Valores é crucial para investidores que desejam tomar decisões informadas. A Selic influencia e afeta diretamente o desempenho das empresas e o comportamento dos investidores. 

Diversificar seus investimentos entre diferentes tipos de ativos, como renda fixa e renda variável, é fundamental para mitigar riscos e aproveitar as oportunidades do mercado. A Carteira Inteligente da Guru já faz esse balanceamento entre renda fixa e renda variável automaticamente para você.

Começar a investir hoje!

NOS VEMOS NA PRÓXIMA SEMANA? 👏

Todo início de semana criamos o compromisso de estar aqui com você e tornar sua experiência no mundo dos investimentos mais simples. Através deste resumo, você fica por dentro de tudo que aconteceu de mais importante nas empresas listadas na Bolsa de Valores, acompanha a oscilação do mercado e usa seu tempo livre para investir, fazer escolhas assertivas e aproveitar da melhor forma.

Gostou do nosso conteúdo e acha que mais pessoas podem curtir nosso trabalho? Encaminhe-a essa newsletter 🙂

Obrigado e até a próxima!
Equipe Guru

🏆➜ Avalie nosso conteúdo:

Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 2

Seja o primeiro a avaliar!

Guilherme Marin

Sou apaixonado pelo mercado financeiro, escrevendo tanto sobre finanças tradicionais quanto sobre criptomoedas. Busco simplificar o complexo mundo financeiro para os leitores, compartilhando análises e tendências de forma clara e direta. Se você quer se manter atualizado e entender melhor os mercados, está no lugar certo!

Carteira Inteligente de Investimentos
Carteira Inteligente de Investimentos