Guru Hub
Selic, CDI ou IPCA: qual indexador de investimentos escolher?
Entenda quais são os indexadores de investimentos da renda fixa brasileira

Selic, CDI ou IPCA: qual indexador de investimentos escolher?

Ao investir em Renda Fixa, a escolha entre títulos prefixados, pós-fixados ou híbridos é crucial. No caso dos pós-fixados, a seleção do indexador, como CDI, Selic ou IPCA, é tão importante quanto o tipo de investimento.

Ao investir em renda fixa, a escolha entre títulos prefixados, pós-fixados ou híbridos é crucial. No caso dos pós-fixados, a seleção do indexador, como CDI, Selic ou IPCA, é tão importante quanto o tipo de investimento.

Isso acontece porque os títulos pós-fixados têm seu retorno vinculado a índices e taxas de mercado, o que implica que o potencial de ganho de cada investidor pode variar de acordo com as tendências econômicas.

Para compreender melhor cada um, saber qual é o melhor para seu perfil e como escolher o indexador para seus investimentos, acompanhe este conteúdo.

O que são os indexadores de investimentos?

Os indexadores de investimento são indicadores utilizados para calcular o rendimento de diversas aplicações financeiras, principalmente na Renda Fixa, que se divide em três tipos: prefixada, pós-fixada e híbrida. Títulos prefixados oferecem remuneração fixa, enquanto os pós-fixados seguem um indexador variável ao longo do investimento. Os híbridos combinam uma taxa fixa e uma indexada.

Na Renda Fixa brasileira, destacam-se três indexadores para títulos pós-fixados e híbridos: Taxa Selic, Certificado de Depósito Interbancário (CDI) e Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Cada um possui características específicas, atendendo a diferentes perfis de investidores, e a escolha entre CDI, Selic ou IPCA envolve considerações variadas.


Quer ver seu dinheiro render mais?

Assista o vídeo para entender melhor como funciona a carteira e abra sua conta no Guru App.

Conheça a Carteira Inteligente do Guru App e bata 90% dos investidores de grandes fundos de investimento com poucos cliques e tudo automatizado!

Comece agora!


Taxa Selic

A Taxa Selic, sigla para Sistema Especial de Liquidação e de Custódia, é a taxa básica de juros da economia brasileira. Ela atua como referência para a cobrança de juros em diversos mercados. A Selic Over representa a média das operações diárias de curtíssimo prazo, enquanto a Selic Meta é o patamar oficial estabelecido pelo Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central para controlar a inflação.

A Selic também é utilizada como indexador de rentabilidade em investimentos, como o Tesouro Selic.

Certificado de Depósito Interbancário (CDI)

O CDI, ou Certificado de Depósito Interbancário, é um indicador de referência para os juros no mercado interbancário brasileiro, próximo à taxa básica de juros. Trata-se de um título de curtíssimo prazo negociado entre instituições financeiras, com vencimento em 1 dia útil.

O CDI é amplamente utilizado como indexador de rentabilidade em títulos privados pós-fixados, como CDBs, LCIs e LCAs.

IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo)

O IPCA é o indicador oficial da inflação no Brasil, medido mensalmente pelo IBGE. Ele acompanha uma cesta de produtos e serviços, divididos em diferentes grupos. O IPCA tem relevância na economia brasileira, influenciando as metas de inflação estabelecidas pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) e as decisões de política de juros pelo Copom.

O seu foco está nas famílias com renda mensal de 1 até 40 salários-mínimos onde s produtos e serviços são divididos em 9 grupos. São eles:

  • alimentação e bebidas;
  • artigos de residência;
  • comunicação;
  • despesas pessoais;
  • educação;
  • habitação;
  • saúde e cuidados pessoais;
  • transportes;
  • vestuário.

Vale a pena destacar que a participação deles não é uniforme. Há itens que podem ser mais relevantes no cálculo. Os percentuais são definidos conforme a relevância dos itens nas compras dos brasileiros — e eles podem mudar com o tempo.

No mercado de investimentos, o IPCA é frequentemente utilizado como indexador em títulos híbridos, como Tesouro IPCA+ e outros, oferecendo uma rentabilidade real positiva acima da inflação no vencimento.

Qual a importância de acompanhar os indexadores?

Acompanhar os indexadores de investimentos, como CDI, Selic e IPCA, é crucial para entender comportamentos da economia e como o mercado financeiro poderá se comportar.

Detacamos a impotânica de acompanhar para:

Tomadas de Decisões

  • Impacto nas rendas fixas: variações nos indexadores, como a taxa básica de juros (Selic), influenciam diretamente o rendimento de títulos pós-fixados e híbridos, impactando as escolhas de investimento.
  • Ciclo de altas e baixas: entender os movimentos dos indexadores auxilia na identificação de ciclos de altas ou baixas nas taxas de juros, orientando decisões estratégicas.
  • Planejamento financeiro: conhecer o cenário de juros e inflação é fundamental para avaliar opções de crédito, como empréstimos e financiamentos, otimizando o planejamento financeiro pessoal.

Estratégia

  • Amplitude de impacto: o monitoramento dos indexadores não se limita à Renda Fixa, pois suas variações também afetam ativos de Renda Variável. Por exemplo, aumentos na taxa Selic podem influenciar o desempenho de empresas, exigindo ajustes em estratégias de investimento em ações.
  • Atratividade relativa: em períodos de maior atratividade de títulos pós-fixados, a preferência por títulos prefixados pode diminuir, destacando a importância de ajustar estratégias conforme as condições de mercado.

Acompanhamento de resultados:

  • Índices de referência: utilizar CDI, Selic e IPCA como referências permite avaliar a performance de investimentos. Assim como o Ibovespa é usado para ações, esses indexadores são essenciais na análise de resultados na Renda Fixa.
  • Proteção contra inflação: o IPCA é crucial para garantir que os ganhos estejam acima da inflação. Uma rentabilidade abaixo do índice indica uma perda no poder de compra.

O acompanhamento desses indicadores não apenas orienta escolhas de investimento, mas também contribui para o entendimento da conjuntura econômica, promovendo uma educação financeira mais sólida. É importante ressaltar que os investidores apostam no futuro e, para onde os indexadores apontam, será crucial para tomar boas decisões.

Como analisar um indexador antes de investir?

Ao considerar investir e analisar indexadores como CDI, Selic ou IPCA, é fundamental seguir algumas etapas:

1. Compreensão sobre o indexador:

  • Definição e Cálculo: Entenda a natureza do indexador, como é calculado e qual é o seu propósito principal no contexto econômico.
  • Variação: Compreenda como o indexador varia ao longo do tempo, considerando fatores que influenciam suas mudanças.

2. Histórico do índice:

  • Dados Históricos: Analise os dados históricos do indexador, examinando gráficos e tendências passadas. Isso auxilia na projeção de cenários futuros.
  • Tendências: Identifique padrões de comportamento, ciclos de altas e baixas, para antecipar possíveis movimentos no mercado.

3. Cenário econômico:

  • Notícias Econômicas: Acompanhe as notícias econômicas, indicadores de inflação e decisões de política monetária. Isso oferece insights sobre o contexto econômico atual.
  • Política Monetária: Esteja ciente das decisões do Banco Central e do Comitê de Política Monetária (Copom), pois essas influenciam diretamente os indexadores.

4. Relação com o título:

  • Rentabilidade do Título: Avalie como a rentabilidade do título, especialmente se for pós-fixado ou híbrido, está diretamente relacionada ao comportamento do indexador.
  • Influência nos Retornos: Compreenda o impacto do indexador nos retornos do investimento, considerando as variações que podem ocorrer.

Afinal, CDI, Selic ou IPCA qual é o melhor indexador?

Não há uma resposta única para determinar o melhor indexador, pois depende do perfil do investidor, objetivos financeiros e do cenário econômico. Cada indexador tem suas características específicas. O CDI e a Selic são frequentemente utilizados em títulos pós-fixados, enquanto o IPCA é comum em títulos híbridos.

A escolha entre eles deve ser alinhada aos seus objetivos, tolerância ao risco e perspectivas para a economia. Procure entender sobre os ciclos de altas e baixas que ficará mais fácil saber qual escolher.

Diversificar entre diferentes indexadores pode ser uma estratégia para equilibrar a carteira e mitigar riscos associados a um único indexador.

🏆➜ Avalie nosso conteúdo:

Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 2

Seja o primeiro a avaliar!

César Augusto

Produtor Musical, Desenvolvedor Web, Especialista em Digital Development e também apaixonado pelo mundo dos investimentos.

Carteira Inteligente de Investimentos
Carteira Inteligente de Investimentos